Pular para o conteúdo
Início » Engolindo sapos

Engolindo sapos

Repito por pura alegria de viver: a salvação é pelo risco, sem o qual a vida não vale a pena!

Clarice Lispector

Tu tá engolindo muito sapo? Tua lagoa interna tá cheia?

Quero te convidar a verificar algumas coisas em vc mesmo. Bora?
Como é sua expressão na vida?

Fingimentos de não ver o que está rolando do lado de dentro, de saber, sentir mas evitar o contato e deixar passar?

Fingimentos de não ouvir suas inquietações, incômodos, sentimentos, evitar o contato e também deixar passar?

E como consequência você não expressa, não fala, não expõe, não coloca as coisas na mesa.

Claro, você faz isso por N fatores como medos, receios, inseguranças e com isso acaba provocando mais afastamentos do que encontros nas sua trocas com outras pessoas.

É triste quando a gente constrói mais relações onde somos personagens ao invés de criar laços autênticos e genuínos, onde não precisamos fingir ser alguma coisa.

É foda, né. A gente se permite carregar um mundo de coisas que acumulamos e imaginamos. Vamos nos sufocando com uma porrada de coisas que vemos, ouvimos e percebemos, e nosso silêncio ali, em forma de castigo pra alma.

Quem precisaria saber e ouvir o que está rolando aí dentro?

Que limites você está precisando colocar e criar pra não encher ainda mais essa lagoa e não ter mais coisas atravessadas dentro de você?

Lembro de um ensinamento que meu vô passou pro meu pai, que passou pra mim: “filho, comer peixe é bom, mas tem que comer com cuidado, tem que separar as espinhas!

E na vida é assim também. Tem coisas que são indigestas e como expressão de auto-cuidado precisamos colocar no prato pra não ferir partes de nós.

É bom quando colocamos pra dentro mais daquilo que nutri, do que aquilo que machuca.

E é bom quando aprendemos a validar aquilo que vemos e ouvimos em nós e com isso nos expressamos com mais clareza e autenticidade, construindo trocas e relações mais saudáveis do que tóxicas.

O que te falta para se oferecer a liberdade de ser quem você é? E o que te mantém fazendo e fingindo ser o que não é? Quais suas perdas? Quais seus ganhos?

Gostou do texto? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.